Um Caminho para a Meditação

 

Esse é um caminho que eu recomendaria para o ocidental comum, que alimenta o desejo em iniciar-se na meditação. Em primeiro lugar, sair do sedentarismo, dando preferência a atividades em contato com a natureza. Depois, começar a incluir um bom relaxamento após as suas atividades físicas. Quando o corpo exaure, o sangue está oxigenado e você simplesmente para tudo, a tendência é a aquisição de um estado de consciência mais elevado. As idéias fluem, grandes soluções nos vêm à mente, ficamos mais inteligentes! 

Daí é uma boa hora para começar a "ensaiar" 5 minutos de meditação. Isso mesmo, na hora da canseira. Você pode, nessa fase, tentar aprender o Sudarshan Kriya da

ONG Arte de Viver. Se não se adaptar, segue simplesmente ampliando seus 5 minutos para 10, 15, 20… Não se preocupe com o tempo, você vai dormir melhor e menos, o que compensa. Além do mais, se você vai estar mais inteligente, vai estar mais produtivo e precisar de menos tempo para fazer as mesmas coisas.

Outra opção é iniciar-se nas meditações dinâmicas. O filósofo indiano que as concebeu, adaptou a meditação do oriental tradicional à mente inquieta do ocidental frenético-compulsivo.

Quando estiver conseguindo se manter 20 ou 30 minutos imóvel, o que já é fenomenal, você pode arriscar fazer um retiro de 10 dias num centro de meditação Vipassana do Goenka. É de graça e isso pode transformar a sua vida. 

 

O Pulsation (da Aneesha Dillon) pode fazer parte do caminho do meditador. Eu experimentei e achei fenomenal. Na verdade, as suas técnicas são permeadas por várias outras com as quais já tive acesso em treinamentos de alto impacto e em dinâmicas pós-reichianas.

Boa caminhada!